O que o código dos samurais nos ensina sobre liderança


Imersos no caos das mudanças e desafios do contexto atual, os líderes muitas vezes se sentem deslocados e podem se equivocar sobre as estratégias a serem tomadas, os tempos de ação, as escolhas, as decisões e as atitudes.

É verdade que estar no lugar certo, na hora certa e com os instrumentos adequados para tomar as decisões corretas não é simples e os profissionais estão constantemente procurando novas modalidades e conhecimentos para chegar ao alvo estabelecido.

Mas, será que isso é possível? Será que podem aprender a ser mestres na arte da liderança, conseguir os resultados escolhidos e chegar à solução ideal, sem perder a saúde e a identidade? O encontro da cultura oriental com a ocidental pode ajudar a responder essas questões e formar novas possibilidades de entendimento e ação para os líderes das empresas.

É o caso do Bushido, antigo código de honra e um estilo de vida para os samurais, que fornecia parâmetros para esses guerreiros viver e morrer com honra. Literalmente, Bushido significa “caminho do guerreiro” e nele é possível identificar alguns princípios extremamente eficazes para o “caminho” do dia a dia de trabalho e algumas respostas relacionadas à liderança eficaz.

Entre os sete princípios identificados nesse código, temos a Honestidade e Justiça, isto é, seja honesto com os outros e com você mesmo. Não espere a justiça de fora, ela tem que vir primeiramente de você. Busque ser honesto com aquilo que você precisa melhorar em si próprio e tenha claro as suas intenções e valores, assim como objetivos e resultados. Consequentemente, esse tipo de visão interna leva a uma postura de responsabilidade em relação às ações e atitudes necessárias.

Como é tão bem colocado no código de honra dos samurais: esconder-se como uma tartaruga na sua carapaça, não é viver. Esse é o princípio Heroico e Coragem, que tem como visão superar o medo de agir, de tomar decisões e ir além das limitações, que são desafios constantes no contexto empresarial. Concretizar os objetivos definidos exige ações corajosas e autoavaliar-se e colocar-se em discussão para melhorar requer coragem.

Porém, coragem não significa assumir riscos inúteis ou se jogar sem pensar. Não é uma força cega e impulsiva, mas sim uma força inteligente, consciente e determinada. A coragem não significa ausência de medo, mas a capacidade de superá-lo.

Compaixão não poderia estar de fora desse código do Bushido. A força, o poder interior e o carisma que um samurai adquire no decorrer do seu treinamento e preparação são utilizados para a realização, principalmente do bem comum. O líder também precisa estar muito atento e criar empatia com sua equipe e colaboradores. A compreensão das emoções do outro e de suas aspirações, permite criar relacionamentos sólidos e construir alicerces para uma colaboração eficaz, capaz de superar as diferenças e atingir os resultados.

O samurai não precisa mostrar a sua força de forma agressiva, pelo contrário, a gentileza e o respeito nas relações interpessoais aumentam sua força e carisma. A gentileza é companheira da assertividade, por isso também é encontrada no código de honra. A falta de autoestima muitas vezes se manifesta com uma atitude agressiva e arrogante.

A Sinceridade também é valorizada como princípio no código. Quando um samurai exprime uma intenção de ter uma determinada ação, esta ação é, na pratica, já realizada.

Expressar uma intenção e agir significa a mesma coisa na visão dos guerreiros. Nesse contexto, podemos falar de sinceridade como sinônimo de comprometimento consigo mesmo e com a própria palavra e propósito. Essa coerência entre intenção, palavras e ações para um líder é essencial para construir relacionamentos de confiança.

Para o código dos samurais, só existe um juiz em relação à Honra – outro importante princípio-: ele mesmo. Isso significa que o comprometimento interno com as próprias decisões e ações é grande. Não se pode esconder nada de si mesmo. A atenção é direcionada ao alinhamento entre os valores e concepções, e as decisões e as ações tomadas.

O sétimo e último princípio é o dever e lealdade, uma verdadeira lição. O Samurai assume a plena responsabilidade pelas suas ações. Nesse caso, lealdade é considerada também em relação aos seus próprios objetivos, a não abandoná-los na primeira dificuldade.

Seguindo essas reflexões, podemos compreender que a base para a conquista da maestria na liderança se resume na conquista de si mesmo por meio do profundo conhecimento da própria natureza interior. Para ter excelência no externo, precisa ter maestria no interno!

Seguindo esses passos, a tomada de decisão e a liderança de uma equipe, sem dúvidas, ficarão mais claras e assertivas! E, dessa forma, o líder atingirá uma performance brilhante com a equipe e com a sua própria vida!

Eduardo Shinyashiki on sabyoutubeEduardo Shinyashiki on sabrssEduardo Shinyashiki on sablinkedinEduardo Shinyashiki on sabfacebookEduardo Shinyashiki on sabemail
Eduardo Shinyashiki
Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, escritor e especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, colabora periodicamente com artigos para revistas e jornais. Autor dos livros: Viva como Você Quer Viver, A Vida é Um Milagre e Transforme seus Sonhos em Vida - Editora Gente. Para mais informações, acesse www.edushin.com.br.

sobre Eduardo Shinyashiki

Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, escritor e especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, colabora periodicamente com artigos para revistas e jornais. Autor dos livros: Viva como Você Quer Viver, A Vida é Um Milagre e Transforme seus Sonhos em Vida - Editora Gente. Para mais informações, acesse www.edushin.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *